quinta-feira, 6 de agosto de 2009

TREM FANTASMA



TREM FANTASMA
(Victtoria Rossini)

Sentada no último banco
No último vagão
Do trem da minha vida
Tem uma criança de olhos arregalados
Semblante triste
Coração calado

Entre nós uma névoa
Que atrapalha a comunicação.
Tento entende-la.
Ela me faz perguntas
Que todo meu corpo, olhos, e expressão
Respondem com um não...
Não te entendo!
Não te percebo
Não te escuto
Nãaaaaaaooooo
Nem quero tua mão!

Teus sonhos não realizei
Tuas fomes não saciei
Tua doçura não conservei
Tua pureza não preservei

Não te peço perdão
Nem quero que chores
Pelas dores que te causei


_ Silencie minha criança
A infância que eu mesma matei.

E olho nos meus próprios olhos
Não entendendo onde errei

_ Não me olhe!
_ Não chore minha criança
Porque se você chorar...
Eu choro também

Um comentário:

lucileny disse...

Obrigada linda amiga por diversas vezes vc alegra minha pg do orkut...
Lindas d+++ suas poesias tudo de bom
seja essa pessoa sempre criativa beijos em seu coraçãozinho