domingo, 18 de janeiro de 2009

FUGA NA MADRUGADA


FUGA NA MADRUGADA
(Victtoria Rossini)

Rasgando a noite
Um uivo estridente
Rompe o peito
E arrebenta as correntes

Fios de submissão
Amarras de solidão
Explodem com os gritos
Ainda que mãos trêmulas tentem sufocá-los

Uma silhueta corre na madrugada
Fugindo dos seus fantasmas
Sabe por que é perseguida
Sabe que compactuou com eles

Nutriu-os com seu sangue
Eram suas crianças
Vampiros protegidos
Sonhos falsos
Desejos proibidos

Agora os abandona
E na fuga rasga a cara, os joelhos, as mãos
Atravessa a noite correndo apavorada
Das garras da sua própria ilusão

Um comentário:

Julieth Parkin disse...

Lindoooooooooo amigaaaaaaaaaaa!!!
Real D+... é vero!!!
Belissimo!!!
Te amoooooooooooo!!!!
Bjaum!!! :))