sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

TODA MULHER SANGRA



TODA MULHER SANGRA
(Victtoria Rossini)

Toda mulher sangra
Pelos pés
Pelas mãos
Pelos olhos
Com o coração...
Tem o corpo em chagas
Em busca de uma ilusão.
De uma utopia
Que os racionais
Chamam de paixão.

Mas é nosso nome!
É a nossa fome
De boca aberta.
Um amar sem limites.
Cachoeira represada
A estourar por nada.
Sempre esperando
De aguardar chorando
O reencontro
Do que não foi...


E a sangrar ficamos
Aqui por anos
O amor sonhando
O amor procurando
Até a hora
Derradeira de ir

2 comentários:

Cris disse...

Chegando por aqui hoje.

Adorei o que escreve. Teus poemas são fortes, diretos, verdadeiros.

A apresentação, formidável, original, irrepreensível e fiel à tua postura.

Enfim, estarei sempre te lendo.
Beijos

Valéria disse...

Adoro a profundidade de seus textos ,
suaves e profundos,como os proprios sentimentos e emoções humanas.
beijos de paz e luz em teucoração sempre.VALÈRIACARVALHO