domingo, 21 de dezembro de 2008

SANGUE FARRAPO

SANGUE FARRAPO
(Victtoria Rossini)

Sim!
Eu tenho sangue Farrapo!
Por isso procuro e não acho
A acomodada dentro de mim

A espada de meu avô
Que tombou ensangüentada
Voou para minhas mãos
Pra seguir sua jornada

Só que ao invés de sangue
Ela jorra tinta
Para ser lavada

Ela grita
Ela incomoda
Ela convoca
Ela provoca
Todos...
À uma guinada

Que seu som seja ouvido
Que sua voz seja entendida
Chamando todos à batalha


Não quero um país de escravos
Do sistema ou do estado
Quero todo Brasileiro bravo
Lutando pelo que acredita
E não apenas rasgando mortalha


Mas não busco a separação
Nem guerra com meu irmão.
Quero poder de decisão!
Quero clareza!
Quero paz social!
Mesmo que pelejada.

Já ouço o tropel do povo
Em busca de um mundo novo
Onde TODOS tem a decisão.
E não são os escolhidos
Que vão nos dizer no grito
Se somos ou não...
Uma grande nação!

Um comentário:

Wander disse...

Oi amor...
Amei a nossa foto ali... a poesia então, nem se fala.
Adoro seus textos... me leva a emoções que só você mesmo pra me provocar.

Passei por aqui pra deixar um beijinho....
Te amo..
Wander