quinta-feira, 29 de maio de 2008

ANJO CERA

ANJO DE CERA
(Victtoria Rossini)

Meu anjo de cera
Em pé me espera
Derretendo indecente
Seu corpo potente.
A fogueira insana
Que aos dois inflama
Retira os freios
Encontra os meios
De fundir seu calor.
Na hora do amor
Sua boca de chama
Sugando me chama
Queimando até o fim.
Ajoelho aceitando
Suas gotas escorrendo
Pingando em mim

Um comentário:

Cris disse...

linda metáfora!

amante caliente! que bom!
beijos, volto logo