quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

SANDALIAS DE LUZ


SANDALIAS DE LUZ
(Victtoria Rossini)

Por mais que meus pés
Cansados de eternidade
Resvalem sem piedade
Pelas encostas e revezes
Trilhem caminhos escuros
Batam de encontro aos muros
Ou andem em mares profundos
Trago amarrada a meus pés
Minhas sandálias de luz.

Por mais que pareça cruz
Ser matéria e ser etérea
Ser vida e ser morte
Ser fraca e ser forte
Minha sandália de raios
Iluminando os atalhos
Pelas trevas me conduz.

Minha roupa de batalha
Por mais que pareça mortalha
Pois esta fadada a um fim
Fui eu quem a fiz assim...
Teci ela fio a fio
Modelei-a á quente e á frio
Para vestir-me neste mundo.

Minhas armas embainhadas
Levantadas ou abaixadas
Todas foram forjadas
No fogo das experiências vividas.

Os sinais em minha testa
Tão claros que às vezes esta
Mais parece um grande farol
Por mais que tente oculta-la
Ela brilha como um sol

E assim... Eu, a guerreira da luz
Seguindo meu coração
Atravesso a escuridão
Do tempo, da vida e da razão.
Com minha sandália amarrada
Pela consciência acordada
Desperta, clara e iluminada
Atravesso todos os portais...

Um comentário:

T@NI@ disse...

gostei muito dessa...
muito boa!beijo.