quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

TARDE DEMAIS

TARDE DEMAIS
(Victtoria Rossini)

Você foi uma bomba atômica na minha vida
Cuja explosão deixou marcada em mim, a tua foto como um holograma.
Ainda te vejo nas madrugadas insones...
E mesmo de olhos fechados te vejo me olhando no escuro do meu quarto.
Te procuro pelas avenidas, entre os vidros dos carros, pelos becos...
Fixo em todos os rostos esperando que me surpreendas e me reconheça.
Nunca te encontrei.
Mas aqui dentro de mim...
Sei que jamais deixarei de te buscar na multidão...
Quando entro em casa
Espero que o telefone que nunca ligou pra mim, agora toque.
Mas sei...
Já é tarde.
Tarde da noite...
Tarde demais...
Sempre foi tarde pra nós...

Um comentário:

diadorim disse...

Migaaa esse poema é lindoooooo, como sempre né? beijoss lindaaaa